Uma homenagem na beira da plantação | #DoArquivo

Fiquei com certa dúvida se era um jazigo bem na beira da estrada numa plantação de milho, no interior de uma fazenda em Rio Verde, Goias. Mas, certamente se trata de um cruzeiro. Na ocasião, não pude retornar para conferir a história e qual real relação da pessoa e lugar. A pessoa que, por coincidência, tem o mesmo sobrenome que o meu, nasceu em fevereiro de 1955 e deixou “saudades eterna”, como foi reforçado pelo “espozo”.

Além do carinho, homenagem e memória feita pelo esposo, certamente a pessoa também tinha forte ligação com aquela propriedade e lugar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s