#14 – RECOMENDÁVEL – Yotuber indígena, Por dentro de um orfanato, fotógrafo perseguido por comunistas, Nu artístico

Passei as duas últimas semanas assistindo alguns filmes. Pretendo construir um conjunto de fotos, logo, vale buscar algumas elementos referênciais, principalmente para ver a fotografia. Enfim, também cheguei a ver algumas coisas sobre fotografia internet a fora. Vamos lá:

» Guerreiro ditigal Texto tipo entrevista com o xavante Cristian Wariu. O jovem usa a internet, ou melhor, mídias, para desmistificar ideias preconceituosas e esteriotipadas dos povos indígenas. Um ativismo indígena. Ele tem um canal no Youtube no qual apresenta o conteúdo que produz. Legal também é ver o uso de ferramentes/produtos – como o Tik Tok – para a dissiminação (e conscientização) acerca de temas e questões relativas aos povos indígenas. A transmutação no estilo e linguagem. Nada melhor do um jovem com autoridade para fazer isso.

» Por dentro de um orfanato – Imagens que impressionam. Aliás, uma situação que impressiona, isso sim. O Público (P3), na seção fotografia, traz o trabalho do fotógrafo dinamarquês Mikkel Hørlyck com um fotos feitas numa instituição de acolhimento para rapazes com deficiência, em Orhei, na Moldova. Imagens de quem não tem afeta, fori abandona e não tem família.

» Perseguido pelos comunistas – Descobri o nome e o trabalho de Harald Hauswald, um fotógrafo que registrou a vida na República Democrática Alemã (RDA) e foi extremamente vigiado a polícia secreta Stasi – principalmente se você tem o poder de revelar que a pode vida socialista não é aquele mar de rosas dos propagandistas.

» Nu artístico – Texto no site Obvios sobre o trabalho do fotógrafo, escritor e artista Wacław Wantuch que trabalha especialmente com o nu femino. A fotografia – ou representação do corpo nu – é permeada de vertentes e fatores representacionais que podem ir do belo, abstrato ao erótico. Enfim, um tema difícil de trabalhar. Porém, um tema fascinante do ponto da arte. E a proposta abstrata do fotógrafo coincide muito com aquela visão tradicional da Belas Artes. Formas, texturas, sombra e luz, numa abordagem do corpo em poses com um novo olhar. Vale a leitura e a visita no site do fotógrafo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s